domingo, 5 de maio de 2013

Aprendendo a navegar II



Ragnarson trabalhava havia muitas horas com seu pai e seus seguidores. Eles carregavam toras de madeira de carvalho, já cortadas em pedaços menores, e desciam com elas até o estaleiro de sua família. Muito cansado, nosso protagonista não suportava mais as feridas que machucavam seus ombros e mãos, e para pra descansar, sob o olhar crítico de seu progenitor.

– Continue carregando as toras, Ragnarson – disse Ragnar, o pai.

– Mas, pai, estou cansado. E além disso, minhas costas já estão muito machucadas – respondeu Ragnarson.

– Olhe aqui, moleque – gritou Ragnar, puxando o filho pelo pescoço. – Nunca, entendeu? Nunca, demonstre cansaço diante de seus inimigos e, muito menos, de seus seguidores. O líder deve ser o último a desistir, para que seus companheiros saibam que sempre há mais um pouco de energia para alcançar suas conquistas. E seus inimigos. Hunf! Na primeira vez que você baixar seu rosto, ele lhe atacará sem piedade.

– Eu sei, pai. Mas como eu posso carregar madeira se minhas costas não suportam nem mais a camisa que visto? – perguntou Ragnarson, demonstrando que seus seis anos de idade ainda deixavam sua marca infantil.

– Olhe ao seu redor, meu filho. Todos estão trabalhando juntos. Alguns não estão satisfeitos, enquanto outros têm plena confiança que, seguindo a nossa linhagem, conseguirão vitórias. Se mostrarmos a eles que o nosso cansaço pode diminuir suas chances, não se iluda, nos abandonarão assim que uma oportunidade surgir.

– Essa madeira é muito pesada, pai – tentou mais uma vez, já quase desistindo de seus argumentos.

– O carvalho é a melhor madeira que podemos usar para construir nossos barcos. E é muito importante que você o conheça. É preciso que você conheça o seu cheiro e sua textura, sinta o seu peso nas costas, que saiba de que maneira ele flutua tanto na água de mar quanto na de rio. Só assim, você poderá começar a aprender a navegar e, com isso, se tornar, um dia, um mestre dos mares.

– Tudo bem. Vou continuar trabalhando.

– Mas levante essa cabeça. Porque depois que terminarmos aqui, você ainda terá que tomar suas lições de batalha com Ivar. Ele está lhe esperando.
  

Um comentário :

Hugo Marcelo Barbosa disse...

Grande Laredo,

Muito legal esta postagem.
Sinto que está nascendo um herói.
Estou curioso pra saber quem é Ivar.

Att,

Hugo Marcelo